quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Sonhos







posso te contar um segredo?
assim, baixinho...
encosta aqui
teu ouvido.
sabes que consigo
te ver 
mesmo sem te enxergar?
que posso te escutar
mesmo sem te ouvir?
acho que sabes.
sentes...
assim, só entre nós:
abraça forte
esse sonho
que partilho contigo
pega na minha mão,
 vem comigo

onde chegaremos?
não sei
só penso ( e sinto )
que sentes 
e pensas
assim também

isso foi um sonho?
talvez...
mas de que é feita 
essa vida
senão de sonhos
que acordam
num instante 
de descuido?

lembre-se:
que os nossos sonhos
nunca adormeçam!




2 comentários:

CONRADO DALL´IGNA disse...

Nunca se deve parar de sonhar. Jamais.

Anônimo disse...

Flávia,

transgredindo teu pedido, é impossível deixar de comentar e salientar duas frases de profunda reflexão, que de forma simples, natural e poética se fez poema. No Budismo diriam que tiveste um "satori" (despertar, iluminação. Aliás Budha já significa iluminado, desperto)), e que estamos todos adormecidos. Por certo despertaste para um sonho acordado. Acordaste para dentro o que adormece em ti pelo lado de fora. Será que estamos adormecidos na vigília do dia e acordamos nos sonhos da noite? Talvez por isso a cada manhã acordamos para dentro de um sonho que se espreguiça sonolento esperando a noite chegar. Parabéns pelo consciente despertar!

"mas de que é feita essa vida senão de sonhos que acordam num instante de descuido?"

"Lembre-se: que os nossos sonhos nunca adormeçam!